Karim Matmour – Magia do Magrebe

O sol quente e dourado do Magrebe volta a fazer das suas. Férteis em calculismo e frieza, é em terras germânicas que a magia e a técnica se misturam contagiando mesmo os menos entusiastas do já chamado “futebol espectáculo”. É assim com Karim Matmour, a jovem estrela argelina do SC Freiburg cujo talento é muito mais que uma miragem no deserto.

Longe vão os tempos em que nos redutos da África Mediterrânica se encontravam verdadeiras pérolas do deserto. O último grande exemplo que pisou os relvados lusos é facilmente identificado pelo seu “calcanhar de ouro” – Rabat Madjer, o Argelino que encantou com a fantasia dos seus golos as hostes portistas. Desde então, o futebol argelino praticamente sem grande expressão internacional, tem vindo a ver os seus grandes nomes a optarem pela nacionalidade gaulesa, tal é o número de emigrantes deste país em França e a sempre mais apetecível e vistosa Selecção Francesa, cujo caso mais gritante é o de Zinedine Zidane.

Karim Matmour   Magia do MagrebeTal não aconteceu com Karim Matmour, um argelino que embora nascido em Estrasburgo – França iniciou a sua formação no clube actual até se mover para o campeonato vizinho para representar o SC Freiburg na BundesLiga em 2004. As suas características não enganaram os alemães mais desconfiados, com os seus 1,81m e 74kg, Matmour é um avançado elegante tal é a forma como se escapa pelos adversários, sempre com um velocidade estonteante e uma técnica em crescendo. Não é (ainda) um grande finalizador, no Freiburg desenvolveu apetências segundo a posição que ocupa e que se quer segundo o protótipo de velocidade, controlo, domínio de bola e capacidade de drible aliada à imaginação – tudo competências que o incluem no leque das grandes promessas de extremos direitos na Europa. Isto tudo é o que o “Brasileiro da Argélia” como é carinhosamente chamado, vem presenteando os adeptos que vibram com as suas jogadas no Badenova Stadium, onde nas últimas 2 épocas vem sendo sempre apontando como um dos melhores jogadores da II Liga Alemã e como grande referência do Freiburg na perseguição à  Bundesliga.

Com 22 anos apenas, Matmour parece estar na idade certa para o salto na carreira e encher a Europa de picante, no entanto, as suas perspectivas de futuro se já se fechavam na escondida II Liga Alemã, ainda mais fechadas ficaram com a não qualificação da Argélia para a CAN 2008 no Gana, para a Guiné. Uma pena para uma nação que começa a despontar grandes nomes no panorama internacional como – Karim Ziani e Nadir Belhadj (médio e defesa respectivamente, do Olympique de Marsella, ambos com 25 anos), Hameur Bouazza (médio do Fulham, 22 anos) e até o nosso conhecido Kamel Fhati Ghilas do V. Guimarães com 23 anos.

A nível internacional, Matmour conta já com 7 internacionalizações na selecção principal, 2 das quais frente ao Brasil e Argentina, esta última onde chegou mesmo a trocar a camisola, em pleno Camp Nou, com um dos seus ídolos – o nosso conhecido Lucho Gonzalez. Jogos que segundo o próprio, o marcaram de forma vincada tal foi a oportunidade de estar lado a lado com as grandes estrelas do Mundo e a possibilidade de mostrar sobretudo a sua enorme alma e entrega que ficam sempre em campo. Pelas suas características e posição no terreno é um jogador que gosta de ter a bola nos pés e partir com a mesma, colada aos dois pés, em direcção aos adversários para no barulho da jogada endossar o esférico a um colega para a finalização, tal é o número de assistências que conta na equipa.

Pela qualidade, atitude e humildade que coloca dentro e fora de campo, Karim Matmour tem certamente futuro para além de uma qualquer miragem. O Freiburg e os seus adeptos agradecem o adormecimento da Europa dos grandes e já renovou o contrato até 2010, tal é a admiração que todos têm pelo seu jogo.


Melhores momentos de Matmour

Sugestões...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>